Ciclofaixa em Holambra

Holambra é um município brasileiro do estado de São Paulo, conhecido como a Capital Brasileira das Flores e é o maior produtor e exportador florícola do Brasil. No dia 14 de julho de 1948, cerca de 500 holandeses fundaram a colônia Holambra I e a Cooperativa Agropecuária Holambra  na antiga fazenda Ribeirão em São Paulo.

Por lá as tulipas são muito populares, e não foi surpreendente saber que até a placa sinalizando uma ciclovia tem o formato da flor.

Holambra, a cidade brasileira das tulipas

Quem mais importa são os Estados Unidos

Típica de lugares frios, como a Holanda, a planta já tem 40% da produção brasileira exportada

Holambra, a 140 quilômetros de São Paulo, é conhecida como a cidade das flores. Mas, se depender da família Schoenmaker, dona da fazenda Terra Viva, maior produtora do Brasil, em breve será chamada também de cidade das tulipas. A produção vem crescendo ano a ano. Em 2005, a Terra Viva vendeu 800 mil flores no mercado interno e exportou 1,2 milhão. Este ano, a produção deve subir para 2,4 milhões.

A quantidade de flores produzidas já é 20 vezes maior do que os dois contêineres de sementes de tulipas trazidas da Holanda para o Brasil pelo holandês Pietros Schoenmaker, há 20 anos. Ele foi um empresário corajoso. Acreditou na possibilidade de produzir tulipas num país tropical.

A flor, tipicamente de lugares frios, teve origem na Turquia e no século 16 foi levada para a Holanda, onde se adaptou muito bem. Tanto que se tornou um símbolo daquele país – hoje, maior produtor e exportador mundial. Lá existem mais de 2 mil variedades de tulipas e são exportadas cerca de 2 bilhões de sementes por ano.

Hoje, os bulbos (ou sementes) são importados da Holanda, mas as flores são produzidas na própria fazenda. Está em fase de teste o cultivo de bulbos na cidade catarinense de São Joaquim. A venda das tulipas é feita por meio de uma cooperativa, da qual participam 300 floricultores da região. Para comprar, só por encomenda ou leilão. O vaso com três flores custa, em média, R$ 25.

No mercado interno, as regiões que mais compram tulipas são a Sudeste e a Sul. Quem mais importa são os Estados Unidos. Os produtores de tulipas brasileiros aproveitam o período de maio a setembro, quando a produção da Holanda está em baixa, para explorar o mercado externo.

A procura pela planta é cada vez maior, segundo o gerente de produção da Terra Viva, José Ricardo de Souza, por causa de sua exclusividade. “A tulipa é difícil de produzir e de encontrar no mercado”, comenta.

O detalhe é que a exclusividade dura no máximo dez dias – o tempo de vida de uma tulipa. Para Schoenmaker, o que ela tem de exclusivo é a beleza. “É um flor muito simples e bonito”, disse, com o sotaque que faz questão de manter.